Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Outubro, 2012

Poema de Um Funcionário Cansado

44 Semanas, 44 poetas- semana 7

Esta semana celebra-se a poesia de António Ramos Rosa.
Para saber mais sobre o poeta, pode seguir-se o link:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ant%C3%B3nio_Ramos_Rosa

Manuel António Pina

Nunca mais o vamos ler na última página do JN, mas a sua poesia está sempre connosco, apesar da ironia.

D'Este Livro que vos Deixo

Eu não tenho vistas largas
Nem grande sabedoria
Mas dão-me as horas amargas
Lições de filosofia.

Há luta por mil doutrinas.
Se querem que o mundo ande,Façam das mil pequeninas
Uma só doutrina grande.

Tu, que tanto prometeste
enquanto nada podias,
hoje que podes esqueceste
tudo o que prometias...

Sei que pareço um ladrão...
mas há muitos que eu conheço
que, sem parecer o que são,
são aquilo que eu pareço.


Por que a vida me empurrou
caí na lama, e então...
tomei-lhe a cor, mas não sou
a lama que muitos são.





44 Semanas, 44 poetas- semana 6

A vida  de António Aleixo,poeta da primeira metade do séc. XX merece ser mais conhecida.
Podem fazê-lo através deste documentário.

Divina Comédia

Erguendo os braços para o céu distante  E apostrofando os deuses invisíveis,
Os homens clamam: — «Deuses impassíveis,
A quem serve o destino triunfante,

Porque é que nos criastes?! Incessante
Corre o tempo e só gera, inestinguíveis,
Dor, pecado, ilusão, lutas horríveis,
N'um turbilhão cruel e delirante...

Pois não era melhor na paz clemente
Do nada e do que ainda não existe,
Ter ficado a dormir eternamente?

Porque é que para a dor nos evocastes?»
Mas os deuses, com voz inda mais triste,
Dizem: — «Homens! por que é que nos criastes?»

Antero de Quental, in Sonetos

44 Semanas, 44 poetas- semana 5

Poeta da Geração de 70, tal como Eça de Queirós, o açoriano Antero de Quental, que aqui surge  retratado por Columbano Bordalo Pinheiro, teve uma vida fascinante, que podem conhecer aqui: 


http://www.vidaslusofonas.pt/antero_de_quental.htm






Esta Gente- Ana Hatherly

Esta Gente / Essa Gente 

O que é preciso é gente  gente com dente  gente que tenha dente  que mostre o dente 
Gente que não seja decente  nem docente  nem docemente  nem delicodocemente 
Gente com mente  com sã mente  que sinta que não mente  que sinta o dente são e a mente 
Gente que enterre o dente  que fira de unha e dente  e mostre o dente potente  ao prepotente 
O que é preciso é gente  que atire fora com essa gente 
Essa gente dominada por essa gente  não sente como a gente  não quer  ser dominada por gente 
NENHUMA! 
A gente  só é dominada por essa gente  quando não sabe que é gente 

Ana Hatherly, in "Um Calculador de Improbabilidades"

Semana 4- Ana Hatherlly

A poesia de Ana Hatherly não respeita as fronteiras entre as artes. Ora vejam!

Semana 3- Almada Negreiros

Vale a pena ver e ouvir A Cena do Ódio numa recriação de Mário Viegas, da apresentação que dela fez o próprio Almada há quase um século.
Vale também a pena espreitar aqui:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Almada_Negreiros


Tomem lá do O'Neill!

E TINH’RRAZÃO
Anda, meu Silva, estuda-m’aleção,
vêsse-te instruz, rapaj, qu’ainstrução
é dosprito upão!
Ou querch ficar pra sempre inguenorantão? Poin os olhos no Silva teu irmão.
Penssas talvês que não le custou, não?
Mas com’é qu’êl foi pdir aumentação
au patrão? E tinh’rrazão…

44 semanas, 44 poetas

De Alexandre O'Neill, poeta destacado na segunda das 44 semanas, um Auto-Retrato.